The Cinematic Orchestra – To Believe



Buscar razões para acreditar olhando e ouvindo ao redor. É nessa premissa que se baseia o novo álbum do grupo de nu jazz The Cinematic Orchestra, To Believe. Era um bom tempo já: fazia 12 anos desde o entristecido Ma Fleur, último álbum completo do grupo liderado por Jason Swinscoe. O resultado da demora é um disco de sete longas faixas (a menor tem pouco mais de cinco minutos), com sonoridade ainda mais introspectiva que trabalhos anteriores, em um caminho bem seguro e fluido…

E acessível. Seja pelas participações nos vocais de nomes como o cantor de soul/folk Moses Sumney e o rapper Roots Manuva, ou mesmo pelas escolhas da produção, muito mais voltada para timbres que flertam com o ambient pop e com um clima mais nublado e morno, algo visível já na capa minimalista.

Há, claro, alguns momentos minimamente mais agitados e percussivos, como na instrumental “Lessons”, mas o predomínio aqui é realmente dos arranjos etéreos. O resultado tem lá suas repetições devido à duração das músicas, mas também traz momentos sublimes. Destaque para as linhas de teclado que dão base a todas as faixas e as cordas, especialmente em “The Workers Of Art”.

Por falar em canto, a despeito do tamanho das faixas, há uma certa urgência radiofônica aqui — e que vai além da já comentada produção. A lírica gira em torno da necessidade de convicção e do companheirismo diante de um mundo repleto de dor; e, por mais que isso pareça batido, não há pieguice em nenhuma das interpretações.

Surge aqui uma trajetória conceitual que se estende desde a faixa-título até “Zero One/This Fantasy”, onde a voz aconchegante de Grey Reverend clama ‘Lay your hands on me / Everyone needs someone to believe’”. E ao final, “A Promise”, vocalizada por Heidi Vogel, encerra pedindo pelo fim da dor. A faixa de 11 minutos (nada enfadonhos, diga-se) apresenta ainda uma das melhores progressões do álbum, da tristeza lenta inicial até um andamento mais rápido com a presença marcante da bateria no encerramento da obra.

To Believe também de certa forma é um disco que também progride positivamente a cada audição. Pode até não ser das obras mais complexas e talvez nem a mais interessante da Orchestra. Contudo, também não é simplório, e guarda detalhes minuciosos para serem percebidos numa tacada só (repare no uso do estéreo, para ficar só em um exemplo). Essas características, junto com uma coesão temática e boas composições, traz um material consistente para um retorno dos cinemáticos.

OUÇA: “The Workers Of Art”, “Zero One/This Fantasy” e “A Promise”

Estudante de jornalismo, quase duas décadas de vida, músico diletante, manezinho da Ilha. Normalmente com melhores ideias e ideais do que execuções, mas pode ter certeza de que estou trabalhando nisso...

Leave a comment

Please be polite. We appreciate that. Your email address will not be published and required fields are marked