Ladyhawke – Wild Things

LADYHAWKE

_______________________________________

É só um artista sair da fossa e lançar um material novo realçando sua felicidade para que detratores comecem a criticar simplesmente pelo fato de as músicas inéditas não serem mais tristes como as anteriores. Esse tipo de avaliação não é o que a Ladyhawke merece, já que o 3º álbum dela é tão consistente e satisfatório quanto os anteriores.

A cantora nativa da Nova Zelândia começou chamando a atenção por conta de músicas com uma pegada retrô, lançadas no debut My Delirium. Depois de alguns anos, foi a vez de conhecermos um lado mais sombrio de Pip Brown, nome da cantora. Com Anxiety, muitos demônios que dominavam a mente da artista foram explorados em canções mais calmas, mas bastante inquietantes.

Depois de superar a bad causada por decepções e frustrações, principalmente devido à etapa em que se afundava em álcool, Ladyhawke deixou Londres para morar em Los Angeles, casando-se e alcançando uma felicidade que ajudou a jovem a retomar seu lado divertido com força total, refletido no seu álbum mais recente, denominado Wild Things.

Como não poderia deixar de ser, os vocais no novo álbum continuam suaves e sedutores, remetendo a La Roux em várias músicas, em função dos arranjos oitentistas. Não faltam synths e outros elementos que dão um ar vintage às músicas eletrônicas, bem como uma sonoridade que aposta no dream-pop. Assim, as músicas novas tornaram-se as mais radiofônicas da Ladyhawke até aqui. Canções como “The River” e “Golden Girl”, por exemplo, são apenas alguns exemplos de como a cantora conseguiu explorar o pop sem abandonar sua complexidade.

As letras continuam abordando inseguranças e corações partidos. No entanto, Wild Things possui uma vibração mais positiva e contagiante. Diante de tanta animação, fica difícil não cantarolar as músicas do álbum da Ladyhawke, que não deve nada a outros artistas cujas músicas causam o mesmo efeito, como Carly Rae Jepsen, CHVRCHES e MS MR.

OUÇA: “Let It Roll”, “Sweet Fascination”, “Money To Burn”, “Wonderland” e “A Love Song”.

Movido a música, filmes, séries, livros, línguas, novidades...

Leave a comment

Please be polite. We appreciate that. Your email address will not be published and required fields are marked