Hot Chip – A Bath Full Of Ecstasy



Um ambiente escuro com vozes ressoando. Neste mesmo ambiente há batidas pop e cada uma estimula que o ouvinte visualize uma cor. A descrição serve para explicar uma espécie de fenômeno sinestésico ou o clipe de “Melody Of Love”, faixa de abertura do novo álbum do Hot Chip. A sinestesia compreende a junção de diferentes planos sensoriais, está relacionado a forma como sentimos o mundo ao nosso redor. 

A Bath Full Of Ecstasy,  sétimo disco da banda britânica, flerta com a sensorialidade e a sensibilidade. Trata-se de uma brincadeira: seja com os efeitos alucinógenos, seja com a exaltação.  “Echo”, quarta faixa, poderia tocar em qualquer rádio ou em qualquer filme meio retrô. Uma música com batidas oitentistas e genuínas, afinal, o que é o pop sem sua essência? Um mergulho profundo em uma banheira de melodias eletrônicas. “Bath Full Of Ecstasy” e “Clear Blue Skies” destacam-se pela regularidade positiva: cativantes, seja na animação ou na batida calma e techno que navega e guia o ouvinte: entramos em um universo paralelo.

Philippe Zdar, produtor francês, relacionado ao Cassius e ao Phoenix trabalhou neste álbum. É um dos seus últimos, já que o produtor acidentou-se e acabou falecendo. Um triste pesar ao trabalho. 

Quando pensamos em pares opostos, a filosofia grega apresenta um clássico: apolíneo e dionisíaco, uma dicotomia – espécie de problematização –, que trata dos filhos de Zeus, o pai dos deuses. Temos uma equação que coloca em oposição o racional e o emocional. A Bath Full Of Ecstasy trata de batidas eletrônicas racionais e, até certo ponto, matemáticas em coexistência com sentimentos e divagações  – caóticas e instintivas. 

“Hungry Child” mescla house e eletro pop dançante e melódica. Uma canção para entoar baladas de verão e festas, soando como um possível sucesso  do verão no hemisfério norte. Definitivamente o ponto alto do disco.

“No God”, última faixa, é um pouco mais niilista que as anteriores, ainda em um viés retrô fala sobre dançar em círculos. Seria o eterno retorno ou a rejeição a importância de qualquer outra coisa? A faixa brinca com o questionamento: o que é, de fato, existir? Despretensioso e, ao primeiro olhar, um pouco estranho. Este é o novo álbum do Hot Chip. 

OUÇA: “Melody Of Love”, “Echo” “Hungry Child” e “No God”

Meio fotógrafa, meio jornalista e perdida por inteiro. Obcecada por arte e livros. Amo a Kim Gordon mais que a minha própria vida. Atualmente buscando os três pontos no jogo da vida.

Leave a comment

Please be polite. We appreciate that. Your email address will not be published and required fields are marked