FKA twigs – LP1

twgs

_______________________________________

Unindo uma sonoridade quase sexual, com sua figura cativante e excêntrica, FKA twigs era tudo que o mundo pop precisava: alguém suficientemente diferente, para bagunçar conceitos. E a inglesa chegou para rebolar sensual e conceitualmente na música atual.

Tahliah Barnett começou a carreira como dançarina, aparecendo em videoclipes de artistas como Kylie Minogue, Jessie J, Ed Sheeran e Taio Cruz. Em 2012, ela assumiu a persona Twigs e lançou seu EP1. Em 2013, por reclamação de um outro artista, também chamado Twigs, ela acabou incluindo o FKA na frente. Com o novo nome, ela lançou o EP2, produzido por Arca, o que fez o nome da cantora pipocar em todos os sites de música: FKA twigs era a menina que deveríamos ficar de olho.

Neste ano, ela se uniu novamente ao Arca para a produção de LP1, um mix de trip-hop, R&B e uma sensualidade quase hermética. Arca é um venezuelano radicado em Londres e que já havia trabalhado anteriormente no Yeezus, de Kanye West.  Ele é uma figura central no som da FKA twigs, sendo responsável pelo som tão relacionado ao trip-hop e a essas quebras de ritmos que formam cada canção.

LP1 foi associado ao alt-R&B, espécie de subgênero que versa com as batidas do R&B e que congrega artistas como How to Dress Well e Banks, porém a própria FKA twigs renega essa tag e não se considera como um espectro de R&B. Na visão da artista, essa delimitação estaria relacionada a sua raça e desmembraria em questões raciais mais complexas. Por outro lado, entendemos o som de LP1 mais próximo do trip-hop dos anos 90, especialmente de artistas como Tricky. Isto, porém, não o torno um disco saudosista ou de homenagem, e sim um trabalho bastante conceitual, que bebe na fonte do trip-hop, mas faz o mesmo que o gênero que o inspira: remodela tudo para uma roupagem que se conecta com o nosso tempo, seja em sua desconstrução sonora ou em suas letras. Letras que, por sua vez, versam sobre amores, solidão e sexo, de uma forma tão genuína e intensa como aquela Björk da fase Post.

Além destes aspectos sonoros, twigs é uma artista primordialmente performática. Cada videoclipe é a criação de uma persona que ela leva extremamente a sério. Com sua carreira pregressa de dançarina, os movimentos corporais de cada apresentação ou vídeo de Tahliah são um capítulo a parte, fazendo da dança, das roupas, do cabelo e da maquiagem um eixo fundamental neste todo cativante. A maior prova disso é a parceria da cantora com o Google, no vídeo-conceito do Google Glass, em que ela aproveita todas as vantagens do aparelho dentro do seu universo artístico e performático.

Sendo FKA twigs uma figura tão forte e intensa, seu LP1 apenas corrobora a presença da artista como uma das mais relevantes da atualidade, pois o álbum consegue funcionar tanto em sua forma conceitual, com as faixas em sequência, criando um todo, bem como em cada single lançado pela artista. FKA twigs é, ao mesmo tempo, a melhor artista para você incluir na sua lista de “fuck music”, quanto a responsável pelos melhores ao vivos deste ano. E como prova disso, nada melhor que sua apresentação no The Tonight Show do Jimmy Fallon.

OUÇA: “Pendulum”, “Video Girl” e “Lights On”

Gosta de novelas, fofocas e subcelebridades do mesmo modo que de Raduan Nassar, Pedro Almodóvar e Joanna Newsom.

Leave a comment

Please be polite. We appreciate that. Your email address will not be published and required fields are marked