Sum 41 – Order In Decline



Banda surgida no final dos anos 1990 no esteio da explosão pop punk que popularizou Green Day, Blink 182, Bad Religion, Offspring e Rancid, o Sum 41 de 2019 é bem mais hard rock do que punk. As guitarras deste novo álbum Order In Decline estão bem mais carregadas e as letras menos trabalhadas.

Order In Decline é um álbum bem fácil de agradar na primeira ouvida. Quem gosta de músicas cheias de adrenalina e que remetem a Avenged Sevenfold, Slipknot e Three Days Grace, vai encontrar o trabalho perfeito. 

No entanto, vão se decepcionar aqueles que buscam no álbum o espírito pop punk de 1994, com letras que instam a rebelião, evocam o tédio e a desobediência a autoridades em qualquer instância, dos pais ao governo. 

O momento mais político do álbum é em “45 (A Matter Of Time)”, que fala do 45º presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Embora a letra não fuja muito do espectro simplista da média das músicas do álbum, a composição traz uma ideia interessante de lidar com a dualidade de temer o governo Trump ao mesmo tempo que o classifica como apenas um número.

Já a canção que mais destoa do hard rock predominante no álbum é “Never There”, que também é uma canção fácil de gostar de primeira. O ritmo e a letra melancólica são envolventes e apesar de destoar do ritmo do resto do álbum, casa muito bem no conjunto da obra. 

A composição da letra de “Never There” é representativa de o quanto o processo de pensar as letras foi negligenciado neste álbum. Tome-se esse trecho como exemplo:

I know that if the, the chance appears

Well I’d have no fears

We both share pain

We feel the same

Esses dois trechos da música “Out For Blood” também reforçam que não houve cuidado na elaboração das letras:

So tell me what’s real

I don’t know if I can feel

Tell me what’s right

I don’t see the light

Apesar do pouco esmero nas letras, a volta de Sum 41 é uma boa notícia porque o instrumental é usado de uma maneira excelente e o ritmo das cações tem a qualidade de agradar rápido como poucos álbuns dos anos 2000 para cá conseguem.

O Sum 41 fez uma aposta ao se distanciar do movimento pop punk pelo qual conseguiu surfar e alcançar notoriedade. Essa aposta trouxe mais resultados positivos do que negativos, pois não há nenhum problema em investir na agradabilidade instrumental e utilizar letras fáceis. Não só de composição cabeçuda vive a música.

OUÇA: “The People Vs…”, “Out For Blood”, “Never There”, “45 (A Matter of Time)”