Copeland – Blushing


A sensação geral de Blushing é algo como aquele estado entre o sono e a vigília em que você não consegue dormir à noite sonhando com os bons momentos da vida e recapitulando o que poderia ter dito ou feito para prolongá-los mas é confrontado com a realidade da solidão na madrugada. Essa característica nostálgica se reflete tanto nas letras como nos intrumentais que, embora sejam bastante diversos, revisitam alguns dos melhores momentos do passado do Copeland, desde o sinfônico e o soul do Ixora de 2014 até algumas guitarras mais rasgadas e quebras abruptas dos primeiros trabalhos.

Uma característica que chama atenção logo nos primeiros instantes é como o álbum evoca emoções muito profundas sem apelar para extremos. A cada faixa somos transportados para estados emocionais diferentes e intensos com pequenos movimentos instrumentais. Tudo acontece de uma forma coesa com uma continuidade construída de forma a não se tornar monótona, em que cada canção explora elementos diferentes e tem seu momento de brilho com algum ponto que resume a emoção que ela deveria passar entretando ainda totalmente relacionada com o que acontece nas faixas ao seu redor. Exemplo disso é “Lay Here”, uma faixa que trabalha a estrutura do R&B noventista através da batida e do baixo pra gerar uma melancolia que tem seu ápice com um pequeno movimento de sintetizador gerando uma dissonância com as cordas, a sobreposição de todos esses elementos tem um resultado poderosíssimo combinado com a voz disparando a vibe que a letra pede.

Algo que o Copeland sempre fez muito bem foi misturar elementos de gêneros diferentes de uma forma que não soe alienígena e aqui essa mistura serve pra gerar a tensão que as letras pedem, demonstrando a diferença entre o amor que você imaginou e o que aconteceu de verdade. Em “Night Figures” isso fica claro com os movimentos de soul sinfônico e hip hop envolvem os trechos que remetem à imaginação e uma agressividade controlada das guitarras e a explosão da voz mostram as partes em que o eu-lírico toma noção da sua condição na realidade no final da música.

Blushing é o sexto álbum na discografia do Copeland, o segundo álbum depois do hiato da banda e soa como uma evolução natural da estética adotada em Ixora, reforçando ainda mais o caráter onírico e melódico que começou nessa fase.

OUÇA: “Pope”, “Colorless”, “Lay Here” e “Strange Flower”