Telekinesis — Effluxion


“Back-to-basics”. É assim que Michael Benjamin Lerner descreve o novo trabalho com o Telekinesis. Effluxion, seu 5º álbum, saiu pela Merge Records no dia 22 de fevereiro. O cd tem 10 faixas e passeia um pouco mais pelo indie rock e rock propriamente dito do que seu antecessor Ad Infinitum (2015).

Para compreender um pouco mais Effluxion é preciso voltar para o debut de Lerner: Telekinesis! (2009). O músico foi descoberto por Chris Walla, ex-integrante da Death Cab for Cutie, que o ajudou a produzir o primeiro disco. Todos os instrumentos do álbum de estreia foram tocados por Michael, o que torna o trabalho bastante pessoal. Os demais álbuns tiveram participações do próprio Chris Walla, dos músicos de apoio de Lerner e também do Jim Eno (Spoon). Na obra atual, Michael resolveu voltar às raízes e fazer tudo por si próprio, desde os instrumentos tocados, até a mixagem. E é daí que surge uma das coisas positivas de Effluxion: uma boa mixagem. Limpa, sem medo de jogar os baixos e as baterias para cima, sem medo de ser quieto quando necessário.  A faixa título, por exemplo, assusta o ouvinte nos seus primeiros segundos por sua quietude e por seu som seco. Por pouco mais de 1 minuto até parece uma música perdida dos Beatles, algo ali do Yellow Submarine ou do Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club.

Inclusive, Lerner não nega ser grande fã da banda e que sua música é abundantemente influenciada pelo quarteto. É até curioso, pelo fato dele ter estudado no Liverpool Institute of Performing Arts, do Paul McCartney. Durante a primeira metade do álbum, essa predileção se mostra evidente: na levada padrão das baterias, nas linhas de baixo, nos violões melódicos e nos pianos pulsantes. No finalzinho, o som fica mais preto no branco, mais direto. Exemplo disso é a faixa “A Place in The Sun”, já lançada como single anteriormente, que surgiu depois de uma ida fracassada ao cardiologista: “My heart’s a ping pong ball skipping in a sea of goo”, diz Lerner em uma das metáforas divertidas dentre várias nas suas composições.

Falando um pouco mais sobre as faixas, “Effluxion”, que abre o cd, dá as caras para essa aventura de Lerner, sobre o ato de compor e de deixar a composição fluir. “Like Nothing”, 3ª faixa, se comporta como um iêiêiê tanto pela vibe da música, quanto por sua letra que parece ambientada nos anos 1960: ‘Minivans moms and dancehall dads / Find a little slice of the happy and sad’. “Set a Course” é parecida com faixas dos primeiros cds: folk, voz e violão no maior estilo Sufjan Stevens, S. Carey e cresce para uma batida constante e de balançar a cabeça, ao mesmo tempo em que o eu-lírico recorda sua trilha pela vida e aconselha os demais: ‘I was lost / I was found / Now just look at me / Set a course / And take it easy’. “Out of Blood” fecha o álbum como um sonho-pesadelo — um pouco mais parecido com o Ad Infinitum — com sintetizadores, programações e hi-hats.

Quanto ao título do novo trabalho do Telekinesis, ele se deriva de uma palavra latina “effluere”, que em português significa mais ou menos fluir para fora, deixar sair. Em inglês — entrando no contexto da produção, já que é de natureza norte-americana —, a palavra “effluxion” tem duas possíveis interpretações: o ato de escorrer e a passagem do tempo. Como aquela velha história do rio blá blá blá. O conceito do título é muito bem atrelado as canções: a já citada “Effluxion” e “Running Like a River”.

No geral, Effluxion tem um quê de homenagem aos clássicos. Gostoso de ouvir, dançante, tem composições divertidas e reflexivas (mas não tanto), é romântico quando tem que ser, é pop quando tem que ser, é pessoal e esperançoso, por fim. Depois dos 30 anos, Michael Benjamin Lerner, aprendeu muito e resolveu que seria bom voltar ao básico, que seria bom confiar em si e no que a vida tem a nos trazer.

OUÇA: “Effluxion”, “Cut The Quick”, “A Place In The Sun” e “Set A Course”

Said the Whale – Cascadia


Pouco se fala, mas Cascadia — título do 6º álbum de estúdio da Said the Whale — é o nome dado a uma biorregião localizada a oeste da América do Norte. É também o nome escolhido para uma proposta de país (país este que abrangeria alguns pontos dos Estados Unidos e Canadá). Inclusive, se olharmos o merchan da banda, veremos a bandeira verde, azul e branca do país proposto em meio aos demais itens à venda.

Em termos de som, Cascadia mostra o trio canadense (formado por Tyler Bancroft, Ben Worcester e Jaycelyn Brown) mais pop. Melodias melosas, letras diretas e simples, instrumentos básicos (guitarra, baixo, bateria e teclado). Nada muito fora da caixa.

Com 12 faixas, o sucessor de As Long As Your Eyes Are Wide, tem faixas que se sobrepõem: a faixa título tem uma pegada indie rock parecida com a de bandas como Real Estate. “Old Soul, Young Heart”, por sua vez, freia a levada pop rock do disco e incorpora o folk com ukulele e acordeon. “Record Shop” é meio nostálgica e chicletinho (até demais), parece ter sido tirada de um disco antigo do Weezer. “Moonlight”, que tem jeitão de lado B, tem belos teclados.

A paternidade recente de Bancroft serve de guia nos temas das letras: “Level Best”, penúltima faixa, é uma balada de amor incondicional; “Love Don’t Ask”, cantada por Worcester, além de possuir teclas semelhantes a xilofones infantis, parece querer ensinar uma lição e ao mesmo tempo provar esse amor incondicional.

Cascadia funciona bem como faixas independentes. O álbum não soa como uma unidade, apesar de navegar pelas águas do pop rock/indie rock quase todos os seus 38 minutos de duração. Acaba que, para os ouvintes que não são tão fãs da banda, o cd se torna meio cansativo, mais do mesmo. Porém, certamente os adoradores curtiram este que, para o próprio frontman, é o “mais Said the Whale dos álbuns do Said the Whale”.

Se fosse escalada para festivais como o Lollapalooza, a banda se sairia bem pelo conteúdo popular do seu som. No mais, Cascadia não mostra grandes novidades para o mundo da música. Contudo, soa como a vontade de se construir algo novo. Fica na vontade, assim como o país.

OUÇA: “Cascadia”, “Level Best” e “UnAmerican”